AJR, o carro mais rápido do Brasil é brasileiro (e usa FuelTech)

julho 31, 2020

À frente do pelotão, AJR #65 com motor Chevrolet V8 LS3 e gerenciamento eletrônico FuelTech FT600

Para ser campeão, AJR V8 com gerenciamento eletrônico FuelTech FT600 teve de encarar grid com 30 feras, do naipe de Mercedes, Porsche e Ferrari (foto: William Inácio/FuelTech)

A temporada 2019 do Império Endurance Brasil, o campeonato brasileiro de provas de longa duração, consagrou de vez o AJR como o carro mais rápido do Brasil. Um dos modelos do protótipo, o #65 da dupla de pai e filho Nilson e José Roberto Ribeiro, do Mato Grosso do Sul, numa conquista duríssima, sobre os GTs vindos da Europa, para o bólido fabricado no Brasil – assim como seu gerenciamento eletrônico.

Os números comprovam o domínio: os AJR fizeram todas as pole-positions da temporada (sempre com médias entre 170 km/h e 190 km/h) e venceram sete das oito corridas (a restante entre os protótipos foi vencida por uma Ginetta, protótipo fabricado na Inglaterra). O modelo do clã Ribeiro venceu três provas e foi campeão na sua categoria e na classificação geral, onde além de modelos idênticos, precisou enfrentar rivais como os badalados Mercedes AMG GT3, Porsche 911 R e Ferrari 488 GT3.

Para ser campeão, não foi necessário somente ser mais rápido que máquinas europeias, guiadas por pilotos do calibre de Daniel Serra, Ricardo Maurício e da dupla Xandy e Xandynho Negrão. Foi preciso também ser o mais resistente (todas as provas duraram de três a seis horas) e o mais veloz, como vamos ver nos – impressionantes –  números a seguir.

 Saiba mais:

 

Comparação em Interlagos

As velocidades do carro são incríveis: em 2019 em Interlagos, o AJR atingiu incríveis 280 km/h de velocidade máxima ao final da reta dos boxes (onde precisa frear para cerca de 70 km/h no contorno do S do Senna). Não muito atrás dos 330,6 km/h da Ferrari de Charles Leclerc, o mais veloz na classificação do GP Brasil de Fórmula 1 em 2019.

Na última vez que o Mundial de Endurance (WEC) veio a Interlagos, em 2014, a pole da categoria LMP2, superior, porém ainda assim aquela que mais se aproxima dos protótipos nacionais, ficou em 1min24s463. Em 2019, o AJR dos Ribeiro fez a pole no mesmo circuito em 1min28s332, menos de quatro segundos atrás.

Ainda, para fins de comparação, a pole-position da última prova de 2019 da Stock Car, maior categoria do automobilismo brasileiro, no circuito paulistano, ficou em 1min37s802, quase dez segundos mais lento do que o protótipo nacional.

 Em pistas como Santa Cruz do Sul e Interlagos, protótipo do clã José Roberto e Nilson Ribeiro rondou os 280 km/h de velocidade máxima
Em pistas como Santa Cruz do Sul (foto) e Interlagos, protótipo do clã José Roberto e Nilson Ribeiro rondou os 280 km/h de velocidade máxima (Foto: William Inácio/FuelTech)

 

Horas e horas em carga máxima

Criado pela família Moro e fabricado em Cachoeirinha (RS), região metropolitana de Porto Alegre, pela JLM Racing, o AJR possui chassis de estrutura tubular em aço cromo molibdênio, carenagens de composite e fibra de carbono nas asas – a traseira possui o sistema de asa móvel como o da Fórmula 1. O motor preferido das equipes para estes bólidos é o Chevrolet V8 LS3 aspirado, o mesmo utilizado no Camaro.

No AJR #65, cujo motor é preparado pela MotorCar Racing, a receita inclui upgrades em itens como cabeçote, comando de válvulas, coletor de ar em alumínio e de escape dimensionado, com manta protetora de calor e bomba de óleo externa. Tudo para gerar 650 cv a 6.500 RPM em corridas que, em 2020, vão durar de quatro a seis horas. “Em provas de quatro horas, com mais dois dias de treinos, o motor trabalha um total de sete horas em carga máxima no fim de semana”, diz o diretor da MotorCar, Rafael Cardoso.

O gerenciamento eletrônico é comandado por uma FuelTech FT600, com uma FuelTech WBO2 Nano em cada um dos dutos de escapamento. Neste caso, com escape no estilo 8x2, o equipamento faz a média dos valores e apresenta o valor final para o sistema de malha fechada. O carro se vale de facilidades como o controle de tração ativo através da medição de velocidade e leitura de pressão de óleo e combustível com o sensor de pressão PS-10B.

Fórmula campeã contou com gerenciamento eletrônico comandado pela FuelTech FT600 e será adotada por mais carros do grupo de frente em 2020

Fórmula campeã contou com gerenciamento eletrônico comandado pela FuelTech FT600 e será adotada por mais carros do grupo de frente em 2020 (Foto: William Inácio/FuelTech)

 

Reforço no time

Para 2020, a fórmula vencedora no carro da família Ribeiro desenvolvida pela MotorCar será estendida a outros dois AJR: o #11, da dupla Emílio Padron e Vítor Genz, e o #43, que será comandado por Vicente Orige, figura conhecida também por seus velozes Kadetts em seus anos na arrancada, todos com FuelTech FT600.

Para equilibrar forças e reduzir custos, o regulamento terá novidades em 2020: o peso mínimo do carro subirá de 900 kg para 940 kg. Os discos de freio de carbono serão trocados por mistos de cerâmica e carbono, enquanto a única borboleta de admissão de ar no motor permitida poderá ter até 90 mm (eram até oito borboletas em 2019).

A receita campeã nas pistas ainda inclui câmbio Xtrac de seis marchas com paddle shift, ajustes no volante a respeito de carga de suspensão, controle de tração e módulo do ABS e generosos pneus com 325 mm de largura na traseira, para transmitir ao solo as doses cavalares – e contínuas – de potência recebidas.

AJR #65 não foi o único campeão: carros equipados com FuelTech venceram os títulos de todas as categorias de protótipos

Além do AJR #65, carros equipados com FuelTech foram campeões em todas as categorias de protótipos do Império Endurance Brasil em 2019 (Foto: William Inácio/FuelTech)

 

Quatro categorias, quatro títulos FuelTech

O AJR de Nilson e Beto Ribeiro não foi o único carro com FuelTech campeão no grid do Endurance Brasil em 2019: na classe P2, o MRX Tubarão com motor Ford Duratec turbo, de Mauro Kern e Paulo Sousa, também levantou a taça. O mesmo ocorreu com o clã Carlos e Yuri Antunes, na categoria P3, e Ricardo Haag e Mário Marcondes na P4, ambos com modelos MRX de motor Volkswagen da equipe MotorCar.

Na P1, a classe principal dos protótipos, o #65 teve a companhia de outras duas máquinas de fabricação nacional com FT600: o Sigma (equipado em 2019 com motor Audi V8 4.2 turbo), de Jindra Kraucher e Aldo Piedade Jr., e o DTR (motor Honda K20 turbo), de Eduardo Dieter e Francesco Ventre. Que se inspiram no AJR para brilhar nas pistas como o modelo já campeão.


Assista mais:

 




Leia Mais!

Protótipo com FuelTech crava novo recorde para categorias nacionais em Interlagos!
Protótipo com FuelTech crava novo recorde para categorias nacionais em Interlagos!

agosto 05, 2020

Primeira etapa da Império Endurance Brasil 2020 com recorde de FuelTech, clique e confira mais detalhes!

Clique e confira!

Gurgel com motor Subaru, um lobo em pele de cordeiro em meio ao trânsito
Gurgel com motor Subaru, um lobo em pele de cordeiro em meio ao trânsito

julho 30, 2020

Um motor boxer, como o original, com 120 cv, foi capaz de transformar este Gurgel XEF num sleeper simpático e charmoso

Clique e confira!

Black Edition, uma Saveiro quadrada que você não verá outra igual
Black Edition, uma Saveiro quadrada que você não verá outra igual

julho 28, 2020

Famoso por restaurações dos modelos VW, o By Deni Studio resolveu criar sua própria versão de um deles. O resultado foi essa Saveiro, transformada de um modelo Summer para o exclusivo Black Edition

Clique e confira!