Compound, a revolução dos turbos que deve virar tendência

julho 02, 2020

Inspirado nos motores Diesel, sistema usa turbinas ligadas em sequência, que causam realimentação contínua e multiplicação incrível de pressão e potência.

Com apenas dois rotores e uso do compound turbo, este Mazda RX-8 alcança 1.670 cv

Com apenas dois rotores e uso do compound turbo, este Mazda RX-8 alcança 1.670 cv (foto: Dragzine)

Como você chama um carro cujo motor possui duas turbinas? Biturbo? Não necessariamente: há uma variação cada vez mais em uso no mundo da performance e que promete virar tendência mundial nos próximos anos entre os carros de arrancada: o compound turbo (OK, há outras variáveis, como o twin-turbo, mas sobre isso falamos numa próxima ocasião), em que dois turbos são ligados em série para alimentar o motor e multiplicar sua potência. 

O compound é uma configuração comum em motores Diesel e que possibilita o uso de até (respire fundo) 24 bar de pressão de turbo. Neste sistema, a turbina principal costuma ser menor e alimentar o motor. Os gases de escape produzidos, bem como os de sua válvula wastegate, não vão para o escapamento e remetidos para fora do carro, mas canalizados para alimentar uma segunda turbina, em geral de tamanho maior, que realimenta todo o sistema - com própria regulação por válvula wastegate. 

A realimentação contínua pode ser útil em especial para motores menores: um propulsor de quatro cilindros e 300 cv, alimentado por uma turbina pequena com 2 bar, pode atingir 900 cv, potência média gerada pelos V8 aspirado de competição. A diferença é que, no compound turbo, ainda haverá uma segunda turbina, de tamanho generoso, para multiplicar a pressão e a potência do carro.

Pressão para compensar todo o resto

“O compound turbo é muito comum em motores Diesel, justamente porque, no Diesel, nunca se preparou muito a melhora do motor, como cabeçote e afins”, explica o CEO da FuelTech, Anderson Dick. “Nos motores Diesel, sempre se usou muita pressão para compensar todo o resto. Neste caso, buscamos a mesma coisa”, completa. 

Entre as vantagens deste modelo, está a necessidade de esforço e rotação menores em cada turbina, com pouca pressão nas mesmas, mas com volume maior de pressão no motor. A pressão de escape também fica mais baixa do que o comum nos modelos compound.

O sistema compreende duas turbinas ligadas em série, que se realimentam continuamente
O sistema compreende duas turbinas ligadas em série, que se realimentam continuamente (foto: Dragzine)

“O problema de um motor, quando você chega a 5 ou 6 bar de pressão, é que a turbina começa a sair da faixa de eficiência”, analisa Dick. “Nesse caso, você usa cada turbina com pressão de 2 a 3 bar, onde elas estão com uma eficiência muito alta, o que faz com que a eficiência do compressor gere um aquecimento do ar menor”. 

Dick cita o exemplo do Mazda RX-8 com gerenciamento FuelTech FT600 da Master Painting Peter, preparado por Abel Burgos e testado no dinamômetro da FuelTech USA (confira outros projetos já testados na unidade americana neste vídeo). Neste caso, não foi utilizado sequer o intercooler, pois o ar esfria menos e, se for preciso compensar o aumento de temperatura do ar, basta aumentar a pressão.

O futuro é compound

O CEO da FuelTech acredita que esta receita de preparação dominará as pistas em breve. “Já é uma tendência. Acho que nos próximos anos, nos carros de arrancada, será um padrão mundial”, opina. “Até então, vinha-se sempre melhorando motor para poder tentar chegar próximo de uma potência com o motor aspirado e poder multiplicar isso por 5, 6 (bar), que era o limite da turbina. Hoje não: você não precisa melhorar tanto o motor aspirado. Você multiplica a potência dele por 10, pois o (compound) turbo vai dar conta disso”. A brincadeira não para por aí: “tem gente que, em vez de usar uma turbina maior e outra menor, está usando três turbinas iguais”. 

O futuro está aí. E com pressão pra dar e vender.

Phaeton com que o brasileiro Pety Fuser compete nos EUA, com motor boxer quatro cilindros, é um dos que aposta na eficiência do compound turbo
Phaeton com que o brasileiro Pety Fuser compete nos EUA, com motor boxer quatro cilindros, é um dos que aposta na eficiência do compound turbo (foto: Pety Fuser Engines)



Leia Mais!

FuelTech no Meia Milha da Fullpower!
FuelTech no Meia Milha da Fullpower!

setembro 08, 2020

Clique e confira!

Protótipo com FuelTech crava novo recorde para categorias nacionais em Interlagos!
Protótipo com FuelTech crava novo recorde para categorias nacionais em Interlagos!

agosto 05, 2020

Primeira etapa da Império Endurance Brasil 2020 com recorde de FuelTech, clique e confira mais detalhes!

Clique e confira!

AJR, o carro mais rápido do Brasil é brasileiro (e usa FuelTech)
AJR, o carro mais rápido do Brasil é brasileiro (e usa FuelTech)

julho 31, 2020

Já teve curiosidade em saber qual o carro mais rápido do Brasil? A resposta leva apenas três letras: AJR. Conheça os detalhes desta máquina que bateu os temidos GTs da Europa nas pistas nacionais

Clique e confira!