Nitro, blower, turbo, charger: um guia para percorrer 201m em três segundos (e vencer!)

julho 22, 2020

Uma das belezas da arrancada (e do automobilismo em geral) é quando maneiras distintas de preparação se digladiam na pista. Vamos conhecer com o diretor técnico da FuelTech USA, Luís Fernando Backes De Leon, quatro receitas capazes de percorrer pistas de 1/8 milha (201 metros) em cerca de 3s5 com pneus drag radial (de competição) e vencer seus rivais. 

Nitro, blower, turbo ou charger: há receitas vencedoras com FuelTech com todos eles
Nitro, blower, turbo ou charger: há receitas vencedoras com FuelTech com todos eles (foto: FrontStreet)

As formas de preparação aqui mostradas possuem duas coisas em comum: o equilíbrio dos carros feito através de pesos mínimos diferentes e o gerenciamento eletrônico comandado pela FuelTech FT600. Se você está em dúvida sobre qual a sobrealimentação mais adequada a um projeto de milhares de cavalos (cv), ao menos não terá dúvidas sobre qual ECU escolher.

 Saiba mais:


Nitro, potência quase dobrada

O gigantesco motor de 16,7L do Firebird de Jamie Hancock

O gigantesco motor de 16,7L do Firebird de Jamie Hancock (Foto: reprodução YouTube)

Diferente da turbina, supercharger ou blower, o óxido nitroso aumenta a potência ao acelerar o processo de combustão, o que torna seu acerto complicado. “Ele é muito mais sensível, tudo acontece muito rápido dentro da câmara de combustão”, explica De Leon. No Pontiac Firebird de Jamie Hancock, a receita adotada inclui um gigantesco motor de 16,7L (ou litros, a popular cilindrada), que gira acima de 8.000 RPM. 

O motor possui cerca de 3.500 cv, dos quais 2.000 cv gerados pela própria usina abastecida com gasolina de competição. O restante vem de seis kits de nitro que são ligados em menos de um segundo, com consumo de 10 a 12 kg de óxido nitroso em apenas uma largada. A FT600 é acompanhada da ignição capacitiva de alta energia FTSPARK-1.

 

Blower, pressão no limite o tempo inteiro

Corvette Pro Mod com blower na sede da FuelTech USA: visual, som e potência brutais

Corvette Pro Mod com blower na sede da FuelTech USA: visual, som e potência brutais (Foto: reprodução YouTube)

Dono de um dos roncos mais assustadores e ensurdecedores do universo da alta performance, os blowers geram menos potência do que as turbinas, mas de modo mais linear: a pressão que gira é diretamente relacionada à rotação do motor. “Botou o pé no fundo, é pressão no talo o tempo todo, não tem meio pé no acelerador”, exemplifica De Leon. 

Um dos projetos em atividade hoje nos EUA é o de um Camaro, em que a equipe optou por um compressor do tipo roots num motor Hemi, no qual o topo da câmara de combustão é na forma de um hemisfério (ou metade de uma esfera). Este blower atinge 3 bar de pressão. O gerenciamento com a FT600 é acompanhado de bobinas individuais e ignição capacitiva de alta energia, mas aqui a escolhida foi a FTSPARK-8.

 

Turbo: a combinação para os carros mais velozes

Os turbos, como no Corvette C7 Pro Mod que pertenceu a Sidnei “Grandão” Frigo e é hoje usado por Jader Krolow, são a receita mais popular no Brasil

Os turbos, como no Corvette C7 Pro Mod que pertenceu a Sidnei “Grandão” Frigo e é hoje usado por Jader Krolow, são a receita mais popular no Brasil (foto: Dragzine)

Para Luís De Leon, o uso de duas turbinas é a combinação mais potente e a que gera os carros mais velozes (ou seja, com maior velocidade alcançada ao final do trecho de aceleração). O diretor técnico da FuelTech USA explica que, nos motores turbo, “você manipula o quanto de pressão quer e quando, se na largada, depois de um segundo, dois segundos...”, função que é exercida pelo BoostController. “Eles nunca param de acelerar, enquanto para nitro e blower falta força no fim de reta”, ensina o brasileiro. 

Esta receita, possivelmente a mais popular do Brasil, é usada nos EUA em bólidos como um Corvette 2006 de rua que foi transformado para competição (saiba mais sobre como é um Pro Mod neste vídeo). O motor de 8L a mais de 10.000 RPM pode gera mais de 5.000 cv “tranquilamente”, frisa De Leon.


Compressor centrífugo, rotação sem limites

O Camaro de Kevin Rivenbark e seu insano supercharger, que gira cerca de dez vezes mais do que o próprio motor

O Camaro de Kevin Rivenbark e seu insano supercharger, que gira cerca de dez vezes mais do que o próprio motor (foto: Dragzine)

Outra receita de ronco ensurdecedor, o compressor centrífugo (ou supercharger) tem potência média abaixo dos turbos, mas superior a dos blowers comuns. O compressor é acionado pelo virabrequim, que por sua vez se relaciona com a rotação do motor, mas não com os gases de escape. “É similar ao turbo, mas sem o BoostController. Pense como seria um BoostController travado, que larga com 15 PSI e termina com 50 PSI”, define De Leon. 

No Camaro de Kevin Rivenbark, o motor Hemi de 7L gira a cerca de 9.000 RPM, mas o compressor possui quase vida autônoma: ele tem câmbio próprio, gira dez vezes mais (a quase 100.000 RPM – isso mesmo, CEM MIL) e, para girar, consome mais de um quinto dos 5.000 cv gerados pelo motor – sim, são mais de mil cavalos somente para que o charger gire. Neste projeto, a FT600 também é acompanhada pela FTSPARK e bobinas individuais.

 Assista também:




Leia Mais!

FuelTech no Meia Milha da Fullpower!
FuelTech no Meia Milha da Fullpower!

setembro 08, 2020

Clique e confira!

Protótipo com FuelTech crava novo recorde para categorias nacionais em Interlagos!
Protótipo com FuelTech crava novo recorde para categorias nacionais em Interlagos!

agosto 05, 2020

Primeira etapa da Império Endurance Brasil 2020 com recorde de FuelTech, clique e confira mais detalhes!

Clique e confira!

AJR, o carro mais rápido do Brasil é brasileiro (e usa FuelTech)
AJR, o carro mais rápido do Brasil é brasileiro (e usa FuelTech)

julho 31, 2020

Já teve curiosidade em saber qual o carro mais rápido do Brasil? A resposta leva apenas três letras: AJR. Conheça os detalhes desta máquina que bateu os temidos GTs da Europa nas pistas nacionais

Clique e confira!