AJR, o carro mais rápido do Brasil é brasileiro (e usa FuelTech)

julho 31, 2020

À frente do pelotão, AJR #65 com motor Chevrolet V8 LS3 e gerenciamento eletrônico FuelTech FT600

Para ser campeão, AJR V8 com gerenciamento eletrônico FuelTech FT600 teve de encarar grid com 30 feras, do naipe de Mercedes, Porsche e Ferrari (foto: William Inácio/FuelTech)

A temporada 2019 do Império Endurance Brasil, o campeonato brasileiro de provas de longa duração, consagrou de vez o AJR como o carro mais rápido do Brasil. Um dos modelos do protótipo, o #65 da dupla de pai e filho Nilson e José Roberto Ribeiro, do Mato Grosso do Sul, numa conquista duríssima, sobre os GTs vindos da Europa, para o bólido fabricado no Brasil – assim como seu gerenciamento eletrônico.

Os números comprovam o domínio: os AJR fizeram todas as pole-positions da temporada (sempre com médias entre 170 km/h e 190 km/h) e venceram sete das oito corridas (a restante entre os protótipos foi vencida por uma Ginetta, protótipo fabricado na Inglaterra). O modelo do clã Ribeiro venceu três provas e foi campeão na sua categoria e na classificação geral, onde além de modelos idênticos, precisou enfrentar rivais como os badalados Mercedes AMG GT3, Porsche 911 R e Ferrari 488 GT3.

Para ser campeão, não foi necessário somente ser mais rápido que máquinas europeias, guiadas por pilotos do calibre de Daniel Serra, Ricardo Maurício e da dupla Xandy e Xandynho Negrão. Foi preciso também ser o mais resistente (todas as provas duraram de três a seis horas) e o mais veloz, como vamos ver nos – impressionantes –  números a seguir.

 Saiba mais:

 

Comparação em Interlagos

As velocidades do carro são incríveis: em 2019 em Interlagos, o AJR atingiu incríveis 280 km/h de velocidade máxima ao final da reta dos boxes (onde precisa frear para cerca de 70 km/h no contorno do S do Senna). Não muito atrás dos 330,6 km/h da Ferrari de Charles Leclerc, o mais veloz na classificação do GP Brasil de Fórmula 1 em 2019.

Na última vez que o Mundial de Endurance (WEC) veio a Interlagos, em 2014, a pole da categoria LMP2, superior, porém ainda assim aquela que mais se aproxima dos protótipos nacionais, ficou em 1min24s463. Em 2019, o AJR dos Ribeiro fez a pole no mesmo circuito em 1min28s332, menos de quatro segundos atrás.

Ainda, para fins de comparação, a pole-position da última prova de 2019 da Stock Car, maior categoria do automobilismo brasileiro, no circuito paulistano, ficou em 1min37s802, quase dez segundos mais lento do que o protótipo nacional.

 Em pistas como Santa Cruz do Sul e Interlagos, protótipo do clã José Roberto e Nilson Ribeiro rondou os 280 km/h de velocidade máxima
Em pistas como Santa Cruz do Sul (foto) e Interlagos, protótipo do clã José Roberto e Nilson Ribeiro rondou os 280 km/h de velocidade máxima (Foto: William Inácio/FuelTech)

 

Horas e horas em carga máxima

Criado pela família Moro e fabricado em Cachoeirinha (RS), região metropolitana de Porto Alegre, pela JLM Racing, o AJR possui chassis de estrutura tubular em aço cromo molibdênio, carenagens de composite e fibra de carbono nas asas – a traseira possui o sistema de asa móvel como o da Fórmula 1. O motor preferido das equipes para estes bólidos é o Chevrolet V8 LS3 aspirado, o mesmo utilizado no Camaro.

No AJR #65, cujo motor é preparado pela MotorCar Racing, a receita inclui upgrades em itens como cabeçote, comando de válvulas, coletor de ar em alumínio e de escape dimensionado, com manta protetora de calor e bomba de óleo externa. Tudo para gerar 650 cv a 6.500 RPM em corridas que, em 2020, vão durar de quatro a seis horas. “Em provas de quatro horas, com mais dois dias de treinos, o motor trabalha um total de sete horas em carga máxima no fim de semana”, diz o diretor da MotorCar, Rafael Cardoso.

O gerenciamento eletrônico é comandado por uma FuelTech FT600, com uma FuelTech WBO2 Nano em cada um dos dutos de escapamento. Neste caso, com escape no estilo 8x2, o equipamento faz a média dos valores e apresenta o valor final para o sistema de malha fechada. O carro se vale de facilidades como o controle de tração ativo através da medição de velocidade e leitura de pressão de óleo e combustível com o sensor de pressão PS-10B.

Fórmula campeã contou com gerenciamento eletrônico comandado pela FuelTech FT600 e será adotada por mais carros do grupo de frente em 2020

Fórmula campeã contou com gerenciamento eletrônico comandado pela FuelTech FT600 e será adotada por mais carros do grupo de frente em 2020 (Foto: William Inácio/FuelTech)

 

Reforço no time

Para 2020, a fórmula vencedora no carro da família Ribeiro desenvolvida pela MotorCar será estendida a outros dois AJR: o #11, da dupla Emílio Padron e Vítor Genz, e o #43, que será comandado por Vicente Orige, figura conhecida também por seus velozes Kadetts em seus anos na arrancada, todos com FuelTech FT600.

Para equilibrar forças e reduzir custos, o regulamento terá novidades em 2020: o peso mínimo do carro subirá de 900 kg para 940 kg. Os discos de freio de carbono serão trocados por mistos de cerâmica e carbono, enquanto a única borboleta de admissão de ar no motor permitida poderá ter até 90 mm (eram até oito borboletas em 2019).

A receita campeã nas pistas ainda inclui câmbio Xtrac de seis marchas com paddle shift, ajustes no volante a respeito de carga de suspensão, controle de tração e módulo do ABS e generosos pneus com 325 mm de largura na traseira, para transmitir ao solo as doses cavalares – e contínuas – de potência recebidas.

AJR #65 não foi o único campeão: carros equipados com FuelTech venceram os títulos de todas as categorias de protótipos

Além do AJR #65, carros equipados com FuelTech foram campeões em todas as categorias de protótipos do Império Endurance Brasil em 2019 (Foto: William Inácio/FuelTech)

 

Quatro categorias, quatro títulos FuelTech

O AJR de Nilson e Beto Ribeiro não foi o único carro com FuelTech campeão no grid do Endurance Brasil em 2019: na classe P2, o MRX Tubarão com motor Ford Duratec turbo, de Mauro Kern e Paulo Sousa, também levantou a taça. O mesmo ocorreu com o clã Carlos e Yuri Antunes, na categoria P3, e Ricardo Haag e Mário Marcondes na P4, ambos com modelos MRX de motor Volkswagen da equipe MotorCar.

Na P1, a classe principal dos protótipos, o #65 teve a companhia de outras duas máquinas de fabricação nacional com FT600: o Sigma (equipado em 2019 com motor Audi V8 4.2 turbo), de Jindra Kraucher e Aldo Piedade Jr., e o DTR (motor Honda K20 turbo), de Eduardo Dieter e Francesco Ventre. Que se inspiram no AJR para brilhar nas pistas como o modelo já campeão.


Assista mais:

 



Deixe um comentário

Os comentários serão aprovados antes de serem exibidos.


Leia Mais!

Input Expander FuelTech!
Input Expander FuelTech!

janeiro 13, 2021

Conheça o novo produto da FuelTech, que vai adicionar 24 entradas além das originais em seu módulo da linha PowerFT e permitir que seu projeto tenha tantos sensores quanto um Pro Mod americano.

Clique e confira!

Nova Atualização 4.5!
Nova Atualização 4.5!

janeiro 13, 2021

Clique e confira!

FT450 x FT550: qual usar? Três dicas para você fazer a melhor escolha
FT450 x FT550: qual usar? Três dicas para você fazer a melhor escolha

dezembro 30, 2020

O dobro de entradas, acelerômetro interno que evita empinadas, GearController integrado, uso em câmbio automático… descubra um pouco do que diferencia duas de nossas ECUs da linha Power FT

Clique e confira!